O Caminho Estreito Para Os Confins Do Norte – Richard Flanagan

Confesso que por muito tempo tive receio de iniciar O Caminho Estreito Para Os Confins Do norte e já nas primeiras páginas tal receio se acentuou. Mas é aquele tipo de livro que com o fim da leitura você consegue sentir sua grandiosidade, você respira fundo e agradece a si mesma por ter lido. Meu apreço por esse livro foi gradual, vi crescendo a cada capítulo um respeito pela leitura. A narrativa fragmentada dificulta no início da leitura, mas com o passar dos capítulos você se habitua e a leitura flui tranquilamente e você se rende à beleza de uma narrativa que permeia entre passado, presente e futuro.

E nessa narrativa que dança de momento a momento nos transportando ora ao passado, ora ao futuro e ao presente, como se estivéssemos visitando nossa própria memória, conhecemos Dorrigo Evans. Dorrigo, médico-cirurgião e oficial do exército australiano foi feito prisioneiro de guerra pelos japoneses na construção da ferrovia que ligaria a Tailândia ao Myanmar, conhecida como a Ferrovia da morte, na Segunda Guerra Mundial. Em meio a uma rotina de tortura e luta por sobrevivência Dorrigo atenua seu sofrimento com as lembranças de Amy, esposa de seu tio com quem tivera um envolvimento amoroso antes de partir.

O interessante do livro é que ele nos faz analisar os efeitos da guerra não só nos prisioneiros como também em seus “algozes”. Ou seja, ele desmistifica a ideia de que somos completamente bons ou completamente maus e nos trata como humanos. Um exemplo disso é como Dorrigo, conhecido como Amigão pelos seus companheiros prisioneiros, é visto como um herói de guerra, título que ele renega. Não há heróis ou vilões nessa história. Outro exemplo é quando a narrativa nos lança para o futuro onde guardas japoneses são julgados e condenados pelos crimes de guerra, nesse ponto Flanagan nos presenteia com algo além do óbvio ao nos apresentar a guerra e suas consequências por outros pontos de vista.

“O horror não tem forma nem significado. O horror apenas é.”

Mais de 250 mil pessoas foram envolvidas na construção da ferrovia da morte, estima-se que o numero de mortos seja em torno de 100 mil. As cenas descritas no livro são cruas, fortes e me deixaram aflita e enojada em diversas passagens. O pai de Richard Flanagan foi um sobrevivente da construção da estrada de ferro o que com certeza contribuiu para a construção da narrativa tão palpável e real de um dos episódios mais brutais da Segunda Guerra Mundial.

Para aqueles que apreciam leituras ambientadas na Segunda Guerra Mundial não pode deixar de ler esse livro onde é apresentada a cultura oriental, algo que eu ainda não tinha tido chance. Mas não é um livro que eu recomende somente aos amantes desse tipo de enredo e sim para aqueles que se permitem se envolver em uma grande narrativa: ora tensa, ora sedutora mas com certeza uma grande história.

IMG_20180123_163252771.jpg

Resenha: Sorrisos Quebrados – Sofia Silva

IMG_20180103_140758638.jpg

Olá amigos leitores, tudo bem com vocês?

Hoje venho trazer a resenha de Sorrisos Quebrados da autora portuguesa Sofia Silva publicado aqui no Brasil em 2017 pela Editora Valentina. O livro é narrado em primeira pessoa, intercalando capítulos no ponto de vista dos personagens centrais, Paola e André.

Inicialmente publicado na plataforma online Wattpad, Sorrisos Quebrados faz parte da série Quebrados, composta por histórias que giram em torno de violência doméstica, deficiência física e abuso sexual.

Paola é uma mulher marcada, tanto fisicamente quanto psicologicamente, pelos traumas sofridos em um casamento abusivo. Com um marido considerado perfeito por todos, Paola se sente a mulher mais sortuda do mundo por ter sido escolhida dentre tantas outras pelo Roberto ou pelo menos é assim que todos dizem que ela deve se sentir. O que era considerado perfeito com o passar do tempo vai se revelando um verdadeiro tormento. Paola se vê presa em um relacionamento infeliz e sofrendo agressões físicas e psicológicas de um homem perturbado. Decidida a fugir de uma vida de tormento ela acaba sendo vítima de um ataque ainda mais traumático. Presa em uma coleira e amarrada em um canil após ser espancada, Paola é atacada por um dos Pitbulls do marido. Seis anos depois ela carrega as marcas do ataque, agora com metade do rosto desfigurado e cicatrizes espalhadas por todo o corpo. Ela luta para se recuperar em uma clínica que hospeda pacientes com diferentes traumas.

Sol é uma garotinha de quatro anos de idade que sofre com problemas de socialização devido traumas que viveu no passado. Pacientes da mesma clínica, Sol surpreendentemente sente uma forte conexão com Paola e as duas passam a nutrir uma linda amizade curando as feridas uma da outra. E com essa amizade tão repentina Paola acaba se aproximando de André, pai da Sol.

André também é um personagem que carrega seus próprios traumas e dores mas eles só são revelados aos poucos. E seu relacionamento com sua filha é um dos pontos mais tocantes do livro.

Com um prólogo agonizante, Sorrisos Quebrados inicia uma escrita fluída e de rápido desenvolvimento, o que me incomodou em um determinado momento mas falarei sobre isso mais adiante. Devo dizer que a leitura acabou me levando para um outro caminho de certa forma diferente do que eu imaginava anteriormente. O livro trata de questões bem sérias e pesadas mas com uma certa leveza e primeiramente acreditava que a autora exploraria mais profundamente os perfis psicológicos dos personagens traçando de uma forma mais densa e intensa seus traumas e sequelas. Mas tudo isso foi traçado de uma forma diferente, embalado pelo desenvolvimento e nascimento de um romance entre Paola e André. Não posso dizer que isso me incomodou mas sim que a autora usou um outro caminho e que acabou conquistando o leitor de uma outra forma.

A poesia do renascimento do amor e superação de perdas e traumas, narradas de forma apaixonante e fervorosa, nos lança em um redemoinhos de emoções que torna o livro especial em sua maneira. Talvez o que tenha deixado a desejar em minha opinião tenha sido a falta de perfil mais detalhado dos problemas de socialização da Sol e uma passagem tão rápida entre a mudança dos sentimentos da Paola em relação ao André, ou mais ainda na conscientização da personagem de que ela foi vítima e não culpada pelos abusos que sofreu por Roberto como ela afirma em diversas passagens do livro.

A luta da Paola em tentar colorir com suas tintas e pinturas toda a escuridão que ainda a cerca por todos os lados vale a leitura de cada página. Super Recomendo essa que foi a minha primeira leitura de 2018.

.

agosto4.png

Resenha: Escola dos Mortos – Karine Vidal

IMG_20171024_132738

Sinopse: Lara Valente irá morrer. Mas sua história não termina por aqui. Pelo contrário: é aí que ela começa.
A jovem carioca será enviada para um misterioso internato na Inglaterra. Mas o lugar esconde um segredo. Lara se deparará com vozes de gente morta gravadas, assassinatos misteriosos no colégio, meninas mortas que ainda moram nos quartos, e um despertar assustador num caixão. Tudo isso vai leva-la a descobrir que, por trás da fachada da Escola dos Sotrom, existe uma Escola muito mais perigosa, cheia de segredos, pactos e mortes. Nessa Escola repleta de ocultismo, Lara será assassinada. Mas sua história não terminou. Ela acordará em em mundo paralelo, em universo glamouroso onde vive a nata dos melhores, escolhidos à dedo pela Morte. A Escola dos Mortos abriga os que foram assassinados e enviados para lá. Uma sociedade escondida em que existem apenas os melhores, coexistindo em segredo com a escola dos vivos. Adolescentes mimadas, carros luxuosos, segredos escandalosos, campeonatos, corridas e caçadas.
Lara irá se apaixonar por um homem perigoso. Luka Ivanovick, com seus olhos negros, hostis e arrogantes – repletos de ocultismo e falta de respostas. Através dele, Lara descobrirá a cruel história por trás de sua morte.  Paixão, mistério e um jogo de sedução escuro e apimentado irão acontecer entre o mundo real e o misterioso mundo noturno da Escola – até Lara descobrir que, dentro dos caixões, os mortos daquele lugar nunca dormem.

Lara Valente não vê  e nem sabe do paradeiro do pai desde que era criança. Mora com sua mãe e irmã caçula no Rio de Janeiro e de repente descobre que tem uma herança milionária lhe esperando deixada por um avó que nunca conheceu. A única condição para que ela e sua família possam desfrutar da herança é que ela se mude imediatamente para Inglaterra e estude por mínimo um ano em um internato nos arredores de Londres chamado Sotrom.

Lara decidida a receber a herança parte para a Escola o quanto antes. Mas logo de cara percebe coisas muito estranhas acontecerem no local. A Escola exige toque de recolher a partir das oito horas da noite. Qualquer aluno é permanentemente proibido de andar pelos corredores da escola ou qualquer aposento após o toque de recolher sob pena de expulsão imediata. Celulares são proibidos e o único meio de comunicação é através de cartas sujeitas a passarem por vigilância e aprovação da direção da Escola.

A personalidade da Lara brilha assim que ela se instala no ambiente hostil da Escola, em contraste com a dos outros alunos. Sempre apáticos e contidos os alunos da Sotrom parecem tentar se esconder de algo misterioso. Lara percebe muito tarde que quanto mais se destaca dos outros alunos maior perigo ela corre: perigo de morte.

Atacada por um assassino de quem ela não consegue ver o rosto, Lara morre após ser jogada do alto de um penhasco. É aí que a estória termina?? Não, pelo contrário. É aí que ela começa. Lara desperta em um mundo paralelo, o mundo dos Mortos. Uma escola onde os alunos são o oposto da Escola Sotrom. Onde reina a curtição, a badalação. Um lugar onde a personalidade da Lara pode brilhar em paz. Um lugar chamado Escola dos Mortos onde quem dita às regras é a própria Morte.

As coisas ficam ainda mais interessantes, quando um garoto misterioso dono de um avassalador par de olhos negros faiscantes (pausa para os suspiros) intrigantemente parece se mostrar interessado na nova aluna da Escola na Noite. O nome desse par de olhos de arrancar o fôlego é Luka Ivanovick. Meninas do meu Brasil acreditem em mim, vocês vão suspirar por esse nome.

Todo o mistério envolvendo esse bad boy mal encarado e sua família vai apimentar boa parte do livro.  Acontece que esse russo atraente vai despertar diversos sentimentos não só na Lara como em nós leitoras. Primeiro você pode pensar que ele é um louco possessivo e doentio, mas garanto que até o final do livro você já esteja se derretendo por ele.

Gosta de romances clichês? Então se joga porque esse é o livro perfeito pra você! Escola dos Mortos é uma saladinha de referência a livros como Crepúsculo e Jogos Vorazes, mas não para por aí, o livro é mais do que isso. Ele tem um ambiente próprio e envolvente que te faz literalmente vidrar em cada página.

A escrita da Karine Vidal é fluida e instigante, e a história tem tantos ápices quanto merece um romance adolescente, fazendo nossos corações palpitarem diversas vezes. Fiquei me questionando onde o final me levaria, mas preciso dizer que tudo é bem amarradinho. Isso é muito bom pois não temos nenhuma ponta solta com o fim do livro, mas acredito que a estória ficaria muito bem distribuída em dois volumes ao invés de um só.  Nada disso torna o livro cansativo. Literalmente eu não consegui largar o livro e devorei tudo em dois dias e ainda quis mais. Todo o crédito para a autora que construiu um mundo tão envolvente e inebriante.

Houve só um momento do livro em que me sentia como se estivesse despencando do alto de uma montanha russa e fiquei muito preocupada em me decepcionar com a leitura logo no final. Quando um momento a lá Jogos Vorazes criou forma, nesse ponto do livro fiquei muito apreensiva porque até o momento a leitura não tinha me desapontado em nada (passei quase a noite inteira em claro devorando o livro!!). Mas confiei na autora e me joguei na leitura. Confesso que foi a parte do livro – a única parte diga-se de passagem -que não gostei muito. Mas Karina não me decepcionou, tudo desenrolou bem no final e se encaixou como um quebra-cabeças.

Afinal o que pode-se dizer de um livro que consegue arrancar surtos de risos, gritinhos de aprovação e de protesto, bramidos e exclamações durante toda a leitura? Acredito que desses tipos de livros só podemos dizer uma única coisa: cumpriu seu papel direitinho!

 

Para adquirir os livros acesse os Links abaixo:

Editora Skull

Amazon

Boa leitura!

 

OS OPOSTOS SE DISTRAEM – JUSSARA SOUZA

os opostos de distraem

Sinopse: Em Os Opostos se Distraem, a autora Jussara Souza relata de maneira divertida como – da tentativa de salvar seu casamento com um marido fazedor de lista de tarefas –, encontrou sentido para a vida com a ajuda do yoga, meditação, alimentação saudável e afirmação positiva. Largou o emprego em uma multinacional, mudou os hábitos diários, salvou seu relacionamento e, o mais importante, se deparou com o seu verdadeiro propósito de vida.  Afinal, hoje, você já parou para pensar qual o seu Propósito?

Sabe aquele livro que parece que foi escrito para você? Ou então aquele livro que era exatamente o que você estava precisando ler num exato momento da sua vida? Pois então amigos leitores, foi assim que eu me senti enquanto lia Os Opostos se Distraem de autoria da Jussara Souza. Sempre que eu começava a ler parecia que a autora me dizia assim: ” Vem cá amiga, senta aqui comigo. Vamos conversar.” O livro é um relato de sua experiência em decidir dar uma guinada completa em sua vida, largando seu emprego em uma multinacional e se dedicando à recuperação de seu relacionamento e a conquista de novos hábitos diários. Tudo isso escrito de uma forma leve e divertida.

Jussara nos relata sua jornada em mudar de vida quase que em forma de um diário, onde nos apresenta conselhos valiosos e reflexões que nos fazem questionar em como anda a nossa vida. Enquanto lia seu livro diversas questões se formavam em minha mente, outras tantas eu consegui responder a mim mesma. Uma reflexão interna muito bem vinda e que diga-se de passagem veio em boa hora. No final acabou sendo um livro para guardar no peito e na cabeceira.

Em sua narrativa descontraída, ela revela como foi a experiência de vivenciar uma nova rotina que substituísse sua carreira na área financeira. De como foi buscar o equilíbrio através das técnicas de bem-estar, meditação, yoga e terapia ayurvédica.

Imagine mudar seus hábitos, fortalecer seu relacionamento, encontrar seu equilíbrio e essa mesma jornada te levar ao seu propósito de vida. Fácil assim? Claro que não, a autora nos ensina que a vida é feita de erros e acertos, mas uma hora você percebe que começa a acertar mais.

Acredito muito no poder de dar o melhor de si. Ele pode trazer satisfação pessoal e espiritual e por isso me esforço em colocá-lo em prática em todos os momentos da minha vida.”

O livro é dividido em três partes. Onde na primeira parte a autora nos apresenta as diferenças no seu relacionamento com o multitarefeiro(apelido carinhoso dado para seu esposo, com mania de fazer lista de tarefas). Nessa parte do livro conseguimos dar boas risadas, tudo é tratado de uma forma leve e divertida. Sabe aquela frase: Homens são de marte e as mulheres são de vênus. Pois então, ela aqui vai fazer todo sentido para entender as diferenças entre dois seres tão diferentes.

“Na convivência a dois, descobri que o mais importante que fazer o outro feliz é Ser Feliz. Para isso tive que rever os meus conceitos, me livrar do ego e abrir meu coração. ‘Viajei’ para um lugar onde os homens são de outro planeta.”

Na segunda parte do livro Jussara nos mostra como a mudança de hábitos pode ser algo crucial na melhor qualidade de vida. Em sua busca pela felicidade acabou encontrando novos hábitos que a ajudaram a ser uma pessoa melhor. Yoga, meditação e uma boa alimentação foram ferramentas importantíssimas em sua jornada.

“…deixo as coisas fluírem. Se aparecer algum obstáculo, tudo bem, vamos enfrentá-lo. Hoje só tenho tempo e energia para aquelas coisas que realmente significam para mim.”

Na terceira e última parte do livro acompanhamos como todos os fatores anteriormente apresentados resultaram em uma busca espiritual e ao seu propósito de vida. Perto dos seus 40 anos a autora conseguiu se arriscar e buscar a felicidade. Para mim a terceira parte me caiu como uma luva, e foi a parte do livro em que mais me identifiquei. Que delicia seria se preocupar menos com o que as pessoas pensam não é mesmo? Olhar para trás e sentir orgulho daquilo que se tornou. É sobre isso que a autora nos faz refletir.

Sugiro que pare. Permita-se refletir se o que você faz hoje lhe dá prazer. Tente visualizar sua vida hoje e amanhã, fazendo a mesma coisa. Sentiu seu coração bater mais forte? Sentiu um arrepio que desce da cabeça até o dedão do pé, parecido com um calafrio inesperado que arrepia todos os pelos do corpo? Sentiu-se emocionado? Acabei de relatar a você os meus sentimentos, todas as vezes que penso no meu propósito. Espero que quando você pensar no seu talento também possa se sentir assim.”

Ao final do livro nos sentimos como no fim de um bate papo entre amigas. Da até aquela vontade de esticar mais a papo, sabe? Me deu um chacoalhãozinho que eu precisava. E varias perguntas para responder. Para isso já estou colocando em práticas algumas de suas dicas e conselhos. Falando em dicas fica essa minha dica de leitura para vocês! 😉

AUTORA JUSSARA SOUZA.png

Sobre a autora:

Jussara Souza é formada em administração e pós graduada em Controladoria. Trabalhou por mais de 10 anos na área financeira de grandes empresas. Em 2015, com dúvidas no relacionamento e no trabalho, decidiu dar uma guinada na sua vida e tornar-se escritora. Adora bichos, tem dois vira-latas que são tratados como filhos, e tenta ajudar o marido a fazer menos lista de tarefas. Os Opostos se Distraem é o seu primeiro livro.

Para saber mais sobre o livro e a autora acesse:

http://jussarasouza.com.br/

Você pode encontrar o livro na Amazon:

Amazon

Resenha: TORNEIO DE SANGUE – E. Cichocki

20170904_092633.jpg

Olá leitores amigos, tudo bem com vocês? Hoje venho feliz da vida para trazer à vocês mais uma indicação de livro. Então bora lá porque a indicação de hoje tem vampiros, uma Ordem Templária, um torneio medieval e um certo suspense…tudo isso junto porque nós gostamos e muitoooo!

Essa é a segunda resenha que eu trago do autor, eu falei aqui sobre As 108 Borboletas da Alma, que foi seu segundo livro. Enquanto As 108 Borboletas da Alma nos aquece o coração com uma delicada narrativa sobre a jornada de uma alma suicída, Torneio de Sangue veio para nos transportar para uma nova caminhada por onde vamos nos aventurar com um certo deleite nessa trama envolvente e que promete nos conquistar a cada livro. Torneio de Sangue Crônicas da saga Devoradores do Sol é apenas o primeiro livro, e da o pontapé inicial para esse saga.

Com menos de duzentas páginas, Torneio de Sangue é uma introdução ao universo apresentado pelo autor que vai contar com uma Ordem antiga formada pela Igreja, que guardam verdadeiros mistérios de eras passadas, e com personagens intrigantes, fortes e envolventes.

Sinopse:

A ORDEM DOS Nove-Raios é a forma mais segura que a Igreja encontrou para resgatar artefatos de eras passadas. Na época em que os vampiros ainda reinavam sobre o mundo, o clero teve de tomar uma decisão: originar uma guerra. Setecentos anos após a extinção dos devoradores de sangue, cabe hoje aos membros da Ordem reaver antigas tumbas, preciosos tesouros e açonegro, uma ancestral forma de se forjar uma lâmina. 

Agora, Alec, um iniciado dos Nove-Raios, está ávido para sua primeira missão: explorar as ruínas de um antigo castelo. Para isso, no entanto, o novato contará com a ajuda de nove Irmãos, que unidos formam uma companhia.

Nos escombros do castelo serão revelados a Alec segredos tão antigos quanto a própria Igreja, e o rapaz descobrirá a verdadeira razão pela qual o clero deseja encobrir tamanho perigo.

O livro dividido em duas partes, vai nos apresentar a poucos personagens, porém são tão envolventes que seguram a trama o suficiente para nos sentirmos envolvidos. Esse primeiro livro é como um aperitivo, que degustamos com fervor deixando um sabor viciante na boca e um gostinho de quero mais.

Logo de início adentramos em uma espécie de ritual de iniciação de um novo integrante à ORDEM DOS Nove-Raios. A ORDEM conta com nove integrantes, irmãos trajados de preto servindo ao Único com a missão de reaver preciosos tesouros para a Igreja. Em pouco tempo Alec, o novo iniciado da Ordem, já se vê fazendo parte de uma nova missão: Explorar as ruínas de um antigo Castelo encontrada por um pastor local, que pode esconder certos artefatos  anteriores a Inquisição. Assim os integrantes da Ordem partem para uma penosa excursão onde irão encontrar algo que não esperavam ou que desejariam não terem encontrado: um caixão de prata atado com correntes.

“Dê ao homem uma espada e ele lhe mostrará como sangrar uma vida; entrega-lhe o poder, e ele lhe mostrará como sangrar o mundo. ”

Em meio a tudo isso temos a jornada de outro personagem que nos é apresentado logo no primeiro capítulo de uma forma bem misteriosa. Esse personagem na minha opinião foi o mais intrigante de todos. Já no primeiro capítulo fiquei muito curiosa para entender mais sobre ele. Dallen é um sujeito que ganha a vida matando pessoas, segundo ele os bastardos as putas e os cornos. Quando chega em uma taberna para fugir dos raios do dia logo chama a atenção pela sua pele albina, sempre coberta por um velho capuz. Minha curiosidade sobre ele terá que ser saciada nos próximos livros, porque pouco nos é revelado sobre ele, principalmente sobre seu passado. Mas de uma coisa logo ficamos sabendo: ele é um vampiro. Mas um vampiro “cauteloso”, que toma o cuidado de não tomar sangue humano, porque esse o transformaria em uma besta. Sangue humano para ele deve ser tomado em raras ocasiões onde a força se faz necessária. Para as demais ocasiões ele pode beber quase que todo e qualquer sangue, como o de bovino, seu preferido.

Dallen é um personagem onde você não consegue enxergar nem tanta humanidade e nem tanta selvageria nele. Mas isso muda quando seu caminho cruza com o de uma garotinha órfã. E é assim que vemos o lado “humano” de Dallen aflorar assim como é na presença da menina que conhecemos pela primeira vez o lado “besta” emergir nem que por um breve momento.

Mas Dallen não é o único vampiro dessa história toda. Acontece que não muito longe dali a Ordem havia encontrado um certo caixão, que pelo juramento que fizeram como membros da Ordem não poderiam em hipótese alguma abri-lo. Não deveriam mas oque acontece é justamente o contrário. E o que há lá dentro nunca deveria ser despertado, uma criatura com muita sede e todo o mal que há nela agora está caminhando livremente.

Uma narrativa instigante e um final de literalmente roer as unhas. Não resta falar mais nada sobre esse livro, cujo único problema é ser curto demais e no final queremos mais páginas para saciar nossa curiosidade, algo que até o autor nos pede desculpas no final. Mas ele nos consola dizendo que virão mais e mais livros com mais páginas para nos atiçar os nervos. E ele promete: saga Devoradores do Sol está apenas no começo! Obaaaaa…..

Ficou com vontade de ler?

Então corre lá na Amazon nesse link abaixo:

https://goo.gl/gehJtQ

ou ainda um gostinho pelo Wattpad:

https://www.wattpad.com/471520026-torneio-de-sangue-%C2%A9

Boa leitura! 🙂

Resenha: Broken – Despedaçada

Screenshot_20170827-140444

 

 Olá leitores!

Hoje vim falar um pouquinho sobre o livro de estréia da escritora portuguesa Tânia Dias. Broken – Despedaçada vai tratar de um universo onde a magia está presente de forma muito viva e intensa.

Sinopse: Assumir o seu papel como líder não estava nos planos de Alexia White, mas quando a sua mãe perde a vida num terrível assalto ao castelo, ela vê-se sem opções.Num mundo onde os fracos se distinguem dos fortes pelos dons que possuem, Alexia está no topo da lista e precisa de aprender a lidar com os seus dons se pretende recuperar Starnyz das garras do traidor. Ian Bealfire, um homem que exala arrogância e prepotência por todos os poros, parece disposto a ocupar o lugar de seu Mestre.Há quem diga que a jovem está destinada a salvar o mundo mas despedaçada pelas perdas que sofreu. Assombrada pelas memórias do passado, será mesmo capaz de salvar o mundo, quando nem a si parece ser capaz salvar?

O livro conseguiu me cativar mesmo do meio para o final, foi nesse ponto onde consegui realmente “entrar” na estória e onde, na minha opinião, ela passa a se desenrolar melhor. A protagonista Alexia é uma menina que está passando por um período de perda e sofrimento logo no início da trama, dessa maneira algumas atitudes infantis e imaturas dela podem ser perdoadas. Todos gostamos de protagonistas femininas fortes e destemidas, e Alexia como uma princesa que acaba de perder não só a mãe mas também sua rainha e protetora, agora deve se provar digna de proteger seu próprio reino. É muito peso para suas mãos inexperientes e só por isso conseguimos entender que a todo o momento ela quer se provar competente e independente e por esse motivo algumas de suas atitudes nesse sentido podem parecer muito cansativas e imaturas mas a personagem tem um bom desenvolvimento ao longo do livro se tornando mais madura nesse sentido.

Logo no início do livro conseguimos entender que Alexia possui dons especias mas precisa aprender a lidar com eles, e com uma certa urgência já que sua mãe acaba de morrer e deixar como herança um reino inteiro em suas mãos. E para assumir o posto de seu Mestre, surge um rapaz misterioso e não  muito mais velho do que ela que se diz designado pela falecida rainha para ensiná-la a manipular seu dom (uma grande interrogação nesse ponto é o porquê de um garoto tão novo ter sido designado para uma missão tão importante). Ian Bealfire está sempre com um sorriso malicioso estampado nos lábios e uma ironia na ponta da língua. E em poucas páginas Alexia já se sente estranhamente atraída por ele. Todo esse sentimento em tão pouco tempo não conseguiu me convencer logo de início. Mas Alexia está noiva de um outro homem, um príncipe que a princípio fora dado como morto mas logo reaparece. Aaron é príncipe de outro reino, e ele e Alexia são prometidos a casamento desde sempre.  Devo admitir que eu já estava predisposta a gostar desse personagem assim que ele foi introduzido na trama, já que eu não conseguia simpatizar com Ian Bealfire. Mas senti que o príncipe não foi tão bem desenvolvido na trama, ao passo que Ian pelo contrário, foi muito melhor trabalhado durante o livro e antes de finalizar a leitura já estava de fato gostando muito do personagem e nesse caminho já havia desfeito sua máscara de mulherengo e pretensioso para alguém doce e protetor. Ficava mesmo difícil acreditar que algum dia houve um triangulo amoroso. O fato é que posso dizer que também me apaixonei por Ian Bealfire, mas bem depois de Alexia White.

Cabe salientar que estamos a todo o momento do livro à espera de um grande ápice de perigo eminente, visto que do verdadeiro vilão da trama muito pouco é nos apresentado nesse primeiro livro. Posso dizer que isso abre um grande parêntese para a sequência, que já está em andamento. A autora tem muitos pontos a explorar e nos deixou com um final perfeito para roer as unhas.

A escrita da autora é simples e descomprometida, o que torna a leitura rápida e leve. Recomendo para quem gosta de ficção e fantasia.

 

Título Original:  Broken- Despedaçada
Publicação: Setembro 2015
Editor: Chiado Editora
Escritor:
 Tânia Dias
ISBN: 9789895153459

Para mais informações sobre o livro acesse os links a seguir:

Página do livro no Facebook

Editora Chiado

Resenha: Ponto Sem Retorno – Gabriela Simões

 

Olá pessoas tudo bem com vocês? Hoje venho trazer a indicação do livro da Gabriela Simões: Ponto Sem Retorno. 

É um livro rápido, narrado em primeira pessoa, com algumas reviravoltas e repleto de fantasia. Embarcamos na história sob a perspectiva da Giselle Levy, personagem central da trama. Ela é uma meia-bruxa que vive isolada do mundo ao lado do seu avô e longe dos olhos do rei. Ela vive escondida justamente porque precisa preservar sua origem e sua verdadeira identidade. Tudo isso porque há alguns anos atrás seres mágicos foram caçados e mortos a mando do rei, impossibilitada então de viver e trabalhar no reino de Kendrad, por medo de ter sua magia detectada pela guarda do rei, é forçada a manter-se escondida e vigilante a todo o tempo. Lutando pela sobrevivência do avô doente e também pela sua própria, se vê obrigada a viver de caça ou de roubo. Em um certo dia, Giselle vê a oportunidade perfeita para roubar jóias da coroa que seriam usadas mais tarde por ela para garantir alimentos por um prazo maior. Porém as coisas não saem como o esperado, ela é perseguida por um dos príncipes herdeiros do trono, Cristian. O príncipe então lhe da uma saída: promete não entregá-la, se ela aceitar trabalhar para o palácio. Em meio a um dilema, Giselle sabe que não tem outra saída, terá que correr o risco de ter sua identidade revelada ao rei tirano. Em meio a tudo isso, some ao caldeirão uma pitada de mistério e jogo de sedução, misture bem e está feito uma deliciosa história para se degustar.

Giselle tem gênio forte, não tem medo de expor suas opiniões e tudo isso chama atenção do príncipe Cristian que faz de tudo para que a meia-bruxa baixe sua guarda, mas sua tentativa de aproximação não será nada fácil. Em meio a tudo isso, Giselle sente uma estranha e misteriosa ligação com irmão de Cristian, Príncipe Eli. E ainda sofre por ter que se afastar do seu amigo de infância Rylan.

A leitura é envolvente, em alguns momentos me preocupei que um certo “quarteto amoroso” fosse se formar e deixar as coisas meio perdidas e em algumas passagens me senti um pouco confusa com as impressões e rumos que a personagem tomaria ao longo da história mas tudo se encaixa devidamente no final, deixando bem claro que teremos mais pelo que esperar.  A autora tem em suas mãos todos os ingredientes para que uma boa fantasia se desenrole.

Boa leitura 🙂

IMG_0518.JPG

Biografia: Gabriela Gomes Simões nasceu na cidade da Amadora em 1998. Terminou o ano passado o Ensino Secundário no curso de Ciências e Tecnologias, neste momento encontra-se a tirar uma licenciatura em Gestão Hoteleira na Escola Superior de Hotelaria e Turismo do Estoril. Tem como sonho dar a conhecer a sua escrita.
A paixão pela escrita começou muito nova, com apenas oito anos escrevia pequenos poemas e histórias, tendo concluído o seu primeiro manuscrito com catorze anos de idade. Nos últimos quatro anos dedicou-se ao seu aperfeiçoamento, no seu conteúdo e forma, acabando por crescer com ele, dando-lhe o título de Giselle – Ponto Sem Retorno, sendo este o seu primeiro livro.

A estrada – Cormac McCarthy

Screenshot_20170721-143854

Olá pessoas! tudo bem com vocês? Hoje venho trazer a resenha do livro ganhador do Pulitzer de 2007: A estrada, escrito por Cormac McCarthy.  Primeiro preciso dizer que esse pequeno livrinho (234 páginas) me deu um verdadeiro tapa na cara. Tudo porque eu tinha uma certa relutância em ler 🤔 não sei, acho que imaginava que quando começasse a ler ia desistir da leitura. Daí que veio o tapa na cara minha gente, peguei ele certa noite e quase viro a madrugada lendo, a leitura me prendeu de um jeito que não conseguia parar, em pensar que essa jóinha estava desprezado na minha estante há mais de um ano 😳 então eis que venho me redimir contando pra vocês um pouquinho mais sobre esse livro e explicar porque ele me prendeu tanto.
Imagine que houve uma grande catástrofe no mundo e ele já não é mais o mesmo, o planeta se encontra devastado, tudo está em ruínas, no lugar das florestas existe cinzas, o ar está repleto de fuligem, existem pouquíssimos sobreviventes e grande parte deles andam em bando caçando e matando tudo que encontram pelo caminho, inclusive pessoas (sim! A situação é tão crítica que pessoas praticam atos de violência e canibalismo). Em meio a esse cenário apocalíptico conhecemos nosso personagem principal, que não tem nome, e seu filho que lutam pela sobrevivência quase sem esperanças. Essa relação entre pai e filho é o ponto alto do livro, e os dois sempre juntos passam por grandes privações que nos fazem roer as unhas de desespero. É um livro forte e angustiante . A escrita do autor faz toda diferença e nos transporta para um cenário frio e devastado, a escrita é objetiva, os diálogos sem travessões, e os personagens sem nomes. Em nenhum momento é explicado o motivo do caos em que o planeta se encontra mas também não chega a ser preciso, está aí a grande crítica social.
Um mundo pós apocalíptico e a jornada de um pai e um filho onde cada um é o mundo inteiro do outro.

Devo dizer que tudo no livro, sobretudo a forma com que o autor escreve, contribuiu para que minha leitura, ao contrário do que eu esperava, fluísse perfeitamente bem. O cenário catastrófico, a forma como a violência e desumanidade está presente durante todo o livro, tornou  tudo extremamente real e impactante ao seu modo. E não havia como esperar um final perfeito, porque nós leitores compartilhamos dos mesmos sentimentos de desilusão e desesperança dos personagens centrais, que mesmo sem nos dar seus nomes nos marcam sensivelmente.

Vale dizer que o livro teve uma adaptação cinematográfica em 2009, estrelada por Viggo Mortensen.

Screenshot_20170721-145306

Resenha: As 108 Borboletas da Alma

as108 borboletas da alma

Olá leitores! Tudo bem com vocês? Hoje vim trazer a resenha de As 108 Borboletas da Alma escrito pelo Enthony Cichocki. Esse livro mais que lindo vai nos fazer mergulhar na linda e comovente jornada de uma alma suicida após a morte. A trama trata um assunto tão pesado e difícil de se lidar de uma forma incrivelmente delicada. Como o próprio autor nos adverte:

“É hora de respirar fundo, pois esse livro é um mergulho, daqueles profundos, que incomodam os tímpanos.”

E quando mergulhamos na trama passamos a enxergar pelos olhos de Platz, nosso protagonista, que desiludido com sua vida vê na própria morte uma saída. Tudo tem início em uma estranha conversa de bar e mais tarde uma única cápsula dourada daria fim a sua vida, explodindo seu coração. A partir desse ponto se tem início uma longa trajetória, ora confusa e misteriosa  e ora sublime e plena, de uma alma cansada que acredita em uma segunda chance.

O livro é dividido em cinco partes onde vamos acompanhar nosso protagonista num percurso desconhecido e tão misteriosamente fascinante. Nesse seu novo caminho ele encontra um homem misterioso e desconhecido trajando um terno cinza que se diz ser o porteiro e irá guiá-lo até  o “mundo-de-baixo”, lá ele percorre uma imensa estrada reta e sem fim, onde o nada é a definição mais correta, sem céu e sem estrelas, ele percorre o caminho na garupa da própria morte.

E assim depois de muitas encruzilhadas no caminho, e ele vendo a memória de sua vida se esvaindo aos poucos, intrigantes borboletas amarelas parecem guiá-lo por um caminho que irá levá-lo a uma espécie de cabana antiga, nesse lugar parece que os dias se passam num infinito alvorecer e Platz encontra uma companhia, Nona é o nome dela, uma senhora simpática que adora cozinhar cuja a alma teve o mesmo destino que a sua, os dois passam a conviver em harmonia, cuidando um do outro e desse lugar repleto de flores e borboletas amarelas. Mas tarde é a vez de uma outra jovem alma suicida dividir com ele a cabana e as dúvidas de seus destinos. Mas Platz ainda está só no começo de sua jornada, há ainda um longo caminho a percorrer.

“Você sempre carregará o passado consigo, não importa a viagem que fará. Ele vai com você, mesmo que você queira guardá-lo numa maleta. Quando se tranca o passado, uma hora dessas ele se abre de volta, nem que isso demore uma vida.”

O caminho de Platz continua, e depois de um imenso oceano cujo qual ele atravessa solitariamente em um veleiro, passando por ondas furiosas e ventania intensa, ele enfrenta uma gigantesca montanha que irá revelar o seu mais novo destino.

Platz, em sua longa caminhada, redescobre a si mesmo e aprende o valor da amizade, e de algo assustador e desconhecido ele consegue enxergar uma luz e acreditar que pode haver uma segunda chance e que nem tudo está perdido.

“Entendi, naquele momento de paz, que a alma transcendia a vida, que a sensação de viver estava além das barreiras do corpo, do ar que respiramos e das aventuras que vivemos. Viver era fazer parte de um mundo e saber disso.”

Resta apenas dizer que o livro me tocou muito, pela simplicidade, pela leveza e beleza das palavras do autor em trazer a um tema difícil e obscuro uma percepção graciosa e sincera. Em pensar em tantas almas nesse “mundo-de-cima” que passam pelo drama da depressão e de pensamentos suicidas que só precisam desesperadamente que haja alguém para estender uma mão, alguém para ouvir, alguém para desabafar.

No fim de sua jornada, Platz se vê em um lugar onde os dias se passam normalmente e há estrelas brilhando no céu, para mostrar que no fim não há somente um único jeito e que a luz enfim aparece, não importa o tamanho do túnel.

Prontos para  acompanhar Platz nesse longo caminho que ele precisa percorrer? Então corra e leia o livro, afinal…A Eternidade não espera para sempre!

Aqui vai o link para comprar o livro disponível na amazon,  lembrando que você também pode ter uma degustação do livro no Wattpad no perfil: lobo-do-norte

https://www.amazon.com.br/As-108-Borboletas-da-Alma-ebook/dp/B0719GYYCR/ref=sr_1_1?ie=UTF8&qid=1495077459&sr=8-1&keywords=as+108+borboletas+da+alma

Boa leitura!

Dream house301_square

Resenha: Quatro Vidas De Um Cachorro

IMG_20170322_144623053 (2).jpg

Olá gente! Tudo bem com vocês?!

Vou falar um pouquinho sobre esse livro mais fofo do mundo ❤ Que delícia de leitura! Me emocionei em várias passagens no livro e a leitura foi mais prazerosa do que eu achava que seria, li tudo em dois dias. A historia toda do livro é narrada do ponto de vista do cão, ele que renasce várias vezes e tenta compreender a razão de tudo isso. Ele sabe que deve haver algum propósito em sua existência, e a gente acompanha toda sua trajetória primeiro como um cão vira-lata, segundo como um golden retriever onde ele encontra o amor incondicional de um garotinho chamado Ethan, terceiro como uma cadela policial e em sua última jornada onde vai compreender que todas as suas vidas o levaram de volta a uma pessoa que tanto ama.

É uma história emocionante que nos faz refletir sobre aquela velha questão: Qual nosso propósito aqui?

O autor W. Bruce Cameron consegue abordar essa questão da maneira mais deliciosa possível, com uma boa dose de bom humor e com muita muita muita delicadeza.

Em sua primeira vida como um cão vira lata, Toby logo percebe uma atração genuína pelos humanos mas sua vida na pele desse cãozinho é muito curta e logo ele renasce como Bailey e sua vida cruza com a de um garoto de oito anos com quem vai compartilhar uma vida inteira de muita emoção e de uma amizade intensa e absoluta com seu dono. Bailey teve uma vida intensa e gratificante ao lado do seu melhor amigo na vida e sente que já cumpriu sua única missão no mundo e por esse motivo não entende porque ele renasce mais uma vez na pele de um filhote novamente. Dessa vez Bailey é Ellie, um cão policial que vai dedicar toda a sua vida de cachorro em salvar vidas. Mas sua jornada no mundo ainda não chegou ao fim, existe ainda uma última tarefa que ele deve completar, dessa vez na pele de Amigão, onde ele vai entender e aplicar tudo o que ele já viveu em suas outras vidas.

Simplesmente MARAVILHOSO! Encantada com essa leitura que já é uma das minhas favoritas com certeza. 😀 fica a dica para vocês e boa leitura!

Resenha: O Dia da Morte de Denton Little

IMG_20170110_140904281 (2).jpg

Pessoas… quando eu vou na livraria geralmente já tenho em mente o livro que eu quero comprar ou pelo menos uma idéia. Dificilmente eu compro um livro que já não tenha pesquisado antes ou que tenha ouvido falar ou lido resenha. A não ser que o livro em questão me chame atenção de alguma forma: seja o título,a capa, ou a sinopse. E com esse livro aconteceu que ele me chamou a atenção com esses três motivos juntos. Primeiro o título é bem diferente e sugestivo e a capa me chamou a atenção logo de cara, e por último quando li na parte de trás do livro o seguinte trecho:

“Amanhã é o dia da minha morte. Não é tão dramático quanto parece. Desde que nasci as pessoas sabem que amanhã é o dia em que vou morrer. Aí você me pergunta: é estranho e angustiante saber que vou morrer amanhã? Pra caramba. Mas preciso usar aquele tom de narrador de trailer de filme por causa disso? Provavelmente não.”

Ai então que não pude fazer nada senão levá-lo pra casa. Imagina que louco você saber o dia da sua morte assim que você nasce. Agora imagina que louco seria se isso fosse normal para qualquer pessoa.Isso porque o governo criou uma espécie de programa que mapeia e calcula exatamente o dia da morte das pessoas. Poi isso Denton e seus pais já sabem que ele não viverá mais do que seus dezessete anos. Eles sabem o dia, mas não sabem a hora exata e o motivo da morte. Até ae tudo bem, porque super normal a pessoa já saber o dia da morte e tals, e quando o dia finalmente se aproxima Denton já tem tudo planejado: vai passar o dia do seu funeral com a família e os amigos se despedindo de todo mundo numa festa de arromba e as horas seguintes chamada de vígilia, irá passar na tranquilidade do seu lar ao redor das pessoas mais próximas relaxando e aguardado o momento final.  Mas veja bem, na véspera de sua morte, o garoto acorda com uma baita ressaca, num quarto que não é o seu, na cama de uma garota que não é a sua namorada. O pior de tudo é que Denton não se lembra de nada.

E esse é só o começo de uma série de confusões que Denton tem que enfrentar, já não bastava ser seu último dia na terra e ele agora tem que lidar com o ex namorado pegajoso e briguento da sua namora, com um cara misterioso que diz  ter conhecido sua falecida mãe biológica, a incerteza do motivo real da sua morte e o fato de ter perdido sua virgindade não com sua namorada mas com a irmã do seu melhor amigo.

O livro é divertido, é cheio de tiradas sarcástica e recheado de humor negro.  A cada página você fica curioso de saber qual vai ser a causa da morte do personagem já que começa a aparecer uma mancha estranha em sua perna que vai crescendo por todo o corpo, além de que o bad boy do ex namorado da sua garota parece que quer ser o responsável pela sua morte a todo o custo, não bastasse isso tem um maluco em um carro esportivo amarelo que já o “quase” atropelou mais de uma vez. Sem falar no triangulo amoroso entre ele, sua namorada Taryn e Veronia, irmã do seu melhor amigo Paolo.

 O livro do estreante Lance Rubin é divertido e cheio de reviravoltas. Li em um único dia, ideal para quem quer passar o tempo.

 Boa leitura!

Bjos da Ká 🙂

Bridget Jones: O Diário, No Limite da Razão e Louca pelo Garoto

IMG_20161208_091532080 (2).jpg

Olá pessoas tudo bem com vocês??

Hoje vim falar dessa hilária, piradinha e desastrada da Bridget. Eu e elas somos amigas a um bom tempinho gente, isso porque eu simplesmente adoro as confusões dela. Já li e reli o primeiro livro várias vezes, aliás ele é o meu preferido e foi um dos primeiros livros que eu comprei na vida. Por isso ele é um xodózinho na minha estante rs.

Por falar nos livros da para perceber pelas fotos que cada um é de uma edição diferente. Isso porque eu demorei muito para ler a sequência e depois não achei o segundo livro publicado pela mesma editora. Gente eu simplesmente sou fã da Bridget Jones, ela sempre me faz rir e não tinha ninguém mais perfeito, na minha opinião, para viver a personagem no cinema que não Renée zellweger. Isso sem falar no Colin Firth, nosso eterno Darcy ❤

Helen Fielding abriu as portas para os romances Chick Lit trazendo um novo gênero da literatura onde o foco é o retrato da mulher moderna e independente. Bridget Jones é leve, divertido, recheado de situações hilárias. É sério gente, Bridget é a personagem mais atrapalhada que eu conheço e graças a Deus por isso! Você vai rir muito com ela.

Todas as aventuras românticas na nossa heroína é narrada pela própria Bridget que nos conta tudo através de suas anotações em seu diário.

Em O diário de Bridget Jones temos as aventuras de uma mulher solteira com mais de trinta anos, com sua luta diária para emagrecer, largar o cigarro e a bebida e encontrar um namorado.  Uma das coisas mais divertidas do livro são as conversas da Bridget e suas amigas, que se reúnem sempre para discutir suas relações amorosas. O diário de Bridget Jones é tipo um Orgulho e Preconceito moderninho onde a autora faz uma releitura pra lá de divertida da obra da Jane Austen. Bridget é apaixonada pelo seu chefe Daniel Cleaver, um dos caras mais mulherengos e charmosos da face da terra, em meio a tudo isso ela tem que lidar com as perguntas sempre que vai a algum evento de famíllia: Cadê seu namorado Bridget? Quando você vai deixar de ser uma solteirona Bridget Jones? Além de aguentar sua mãe querendo lhe empurrar ao mais novo solteirão cobiçado pela mulherada, o recém divorciado e renomado advogado Mark Darcy. Para completar esse advogado emproadinho parece não gostar nenhum pouco dela só parece enquanto odeia o seu amado chefe Daniel.

E lá vem o segundo livro gente, que eu só li oito anos depois de ter lido o primeiro. Bridget Jones no limite da razão e tão divertido quanto o primeiro e com Jones aprendemos que de fato nada é tão ruim que não possa piorar. No segundo livro as confusões em que ela se vê envolvida são ainda piores com direito até a prisão tailandesa. Aqui Bridget apesar de estar finalmente em um namoro decente e duradouro suas neuroses e crises ainda continuam as mesmas sem falar em suas inseguranças que ela tenta resolver com seus inúmeros livros de autoajuda. São mais de 300 páginas em uma companhia maravilhosa com uma das mulheres mais atrapalhas da história da literatura. Vale a pena para quem curtiu o primeiro livro porque o segundo não deixa a desejar. Temos mais Bridget, mais Darcy e mais confusões.
IMG_20161208_091600337 (2).jpg
 
 Bridget Jones Louca pelo Garoto foi lançado quatorze anos após No limite da razão confesso que após ler a sinopse do livro relutei muito em continuar a saga de Jones porque o cenário muda nesse último livro, mas é como um docinho que você não quer largar até saborear o último pedacinho. Aqui Jones ainda é a mesma estabanada de sempre o que muda é que agora ela tem outras preocupações além de largar o cigarro ou perder peso. Agora ela é mãe de dois filhos, Billy e Mabel, e tem outros dilemas em sua vida. Bridget que tinha como uma das suas maiores distrações ouvir recados na secretária eletrônica agora foi apresentada as redes sociais e nem o twitter escapa das suas gafes e confusões. Bridget Jones mãe e se aventurando de novo em novas relações num mundo totalmente diferente, com muito mais tecnologia, será que ela dá conta?
De todos os livros o meu favorito é o primeiro, o terceiro por ter tido algumas mudanças, que são perfeitamente aceitáveis já que a vida real não é mesmo um conto de fadas, talvez tenha sido o menos divertido para mim, mas é sempre bom ter Bridget Jones como companhia e foi bom acompanha-lá nessa etapa da sua vida.
Depois de ler os livros corre para assistir as adaptações do cinema, inclusive o recém lançado: O bebê de Bridget Jones que eu assisti e  A-D-O-R-E-I!
Super beijo da Ká! e boa leitura 😀
.

Livro: As Mil Noites – E.K. Johnston

Olá pessoas 😀 Hoje venho trazer a resenha do livro As Mil Noites de E.K. Johnston que li recentemente. Primeiramente vamos falar da arte do livro: As letras douradas e os padrões roxo e verde-água na capa ficou realmente lindo. Sem falar na abertura de cada capítulo onde é apresentado na parte superior alguns desenhos de padrão árabe, um charme!

img_20161102_181157273

O livro nos apresenta  Lo-Melkhiin, um rei que voltou mudado após uma longa caçada no deserto. Ele é um homem muito temido e poderoso, e o reino prospera em suas mãos, mas toda garota com quem se casa morre. Assim todas as aldeias do reino sabem que o Rei e sua guarda pode chegar a qualquer momento e exigir a garota mais bela para se tornar sua noiva, e ela em seguida morrerá em pouco tempo.

Então quando em uma certa aldeia uma jovem avista  Lo-Melkhiin e sua guarda se aproximarem ela sabe que a próxima vítima será sua irmã, a garota mais bonita da aldeia. Assim procurando salvar a vida de sua irmã ela faz de tudo para ser escolhida e levada ao palácio no lugar dela.

Tornando-se rainha e morando na corte do rei ela vive cada dia com a certeza de que será o último. Mas estranhamente uma certa magia flui entre entre ela e o rei, e noite após noite o rei a visita e sua morte não vem e ela sente sua magia crescer cada vez mais.

Acontece que na caçada da qual Lo-Melkhiin voltou transformado ele foi possuído por um demônio e vive desde então aprisionado em seu próprio corpo sem poder se livrar da influência do demônio que se alimenta do sofrimento e da morte de suas mais de trezentas esposas.

O livro tem uma narrativa poética onde nos é apresentado um amor genuíno e fraternal entre duas irmãs, não espere um romance entre os dois personagens principais porque não é sobre isso que a estória de baseia. A parte negativa que tenho deste livro não diz respeito ao livro em si e sim em minha própria expectativa em relação a ele, pois em todo o momento em que eu lia parece que eu esperava um ápice da leitura que nunca chegava. Sendo assim aconselho a desapegarem da idéia de que As Mil Noites seja como os contos fantásticos onde Sherazade distraia o rei com suas histórias noite após noite. Em As Mil Noites encontra-se sua magia própria, onde as histórias contadas pela heroína ganham vida própria.

Boa leitura! 😀

Livro Jane Eyre – Charlotte Brontë

IMG_20161101_142328365.jpg

Gente já falei aqui  no blog sobre a adaptação da obra da Charlotte  Brontë pela BBC, que aliás eu amei. Até então já tinha me apaixonado pela história da Jane mas ainda não havia lido o livro, então finalmente li e vim contar aqui pra vocês 😀

A edição que comprei é da Martin Claret e é linda gente S2!

Esse romance publicado em 1847 recebeu na época certas criticas acaloradas por desmistificar a imagem feminina do século XIX. Jane Eyre é uma heroína que se recusa a seguir o destino reservado às mulheres daquela época, ela é forte, obstinada e possui pensamentos próprios e ambição de seguir sua própria liberdade de conduta tão duramente negada ao seu gênero na época.

“Não sou um pássaro, e não fui presa em uma armadilha. Sou um ser humano livre com minha vontade independente.”

 O livro narrado em primeira pessoa conta a vida de Jane desde sua infância, quando era duramente maltratada por sua tia “benfeitora” que a manda a um reformatório, até sua fase adulta, quando se torna professora e resolve partir do reformatório para se tornar tutora em  Thornfield Hall, uma mansão pertencente ao Sr.Edward Fairfax Rochester. Lá ela conhece e passa a cuidar de Àdele, uma garotinha francesa protegida do Sr. Rochester.

Sr. Rochester é um homem rico, carrancudo e rabugento. E em meio a  rabugice de seu patrão e a uma mansão que esconde alguns mistérios e segredos Jane Eyre encontra-se acolhida e feliz como nunca havia se sentido antes.

Jane é uma  mulher que desconhece o amor, afeto ou qualquer coisa do gênero pois nunca o recebeu. Anos de repressão moldaram sua personalidade a tornando retraída e cautelosa. De certa forma a rudeza de seu patrão e seu aparentemente desinteresse faz com que Jane se sinta muito à vontade em sua presença e por outro lado a franqueza de Jane atrai Sr. Rochester, criando um laço de amizade entre eles que acaba evoluindo para uma intensa paixão.

Porém Rochester tem um segredo que paira sobre o ar de Thornfield Hall que poderá separá-los para sempre.

Eu super recomendo tanto o livro quanto a série da BBC porque sou definitivamente apaixonada por esses romances. Há também o filme de 2011 protagonizado por Mia Wasikowska (Alice no País das Maravilhas) e Michael Fassbender ( o Magneto de X-man primeira classe), esse eu não curti muito na verdade por algum motivo não me passou tanta emoção quanto a série.

ksouza

Livro: O Caçador de Pipas

Depois de um pouco mais de um ano finalmente tirei o CAÇADOR DE PIPAS da estante e comecei a ler. E só me veio um pensamento: Por que demorei tanto para fazer isso?

O caçador de pipas é um livro intenso que nos envolve em seu universo único e inesquecível. É daqueles tipos de livros que consegue extrair do leitor diversos sentimentos o caçador de pipasno decorrer da leitura. E além de tudo uma verdadeira lição sobre amizade, lealdade e redenção.

Amir e Hassan são dois meninos que vivem no Afeganistão. Enquanto Amir é inseguro e está sempre buscando a atenção de seu pai, Hassan é corajoso e extremamente leal a Amir. Hassan é filho do empregado, ele e Amir cresceram juntos, brincando pelas ruas de Cabul nos campeonatos de pipas. Mas depois de um episódio que marcou a vida dos dois, Amir movido pela covardia e pela sua insegurança tomou algumas atitudes que o afastaria para sempre do seu amigo de infância. E a culpa o seguiria por toda a vida até chegar o dia em que finalmente poderá fazer algo para se redimir.

Conhecemos os sentimento de Amir mas é difícil aceita-los. Mas mesmo com seus erros sabemos que no fundo Amir é só um garoto inseguro e carente de atenção. É triste saber que só conseguiria uma aproximidade maior com o pai depois de muitos anos. As diferenças entre os dois garotos é gritante e a lealdade de Hassan é algo inspirador. Amir conseguiu se libertar ao mesmo tempo em que conseguiu conquistar sua rendenção.

Se você ainda não leu o primeiro e grande sucesso de Khaled Hosseini não perca tanto tempo quanto eu.

Super beijo da Ká!

 

 

Livro: Como Fazer Amigos & Influenciar Pessoas

Olá gente! Hoje vim compartilhar com vocês a leitura e a descoberta desse livro maravilhoso de Dale Carnegie.

Como fazer amigos & influenciar pessoas é um guia prático com conselhos de como se relacionar com pessoas e influenciá-las na vida cotidiana, nos negócios e também no trabalho. Mais de 70 anos depois de seu lançamento o livro ainda é super original e atual. O livro é dividido em 4 partes onde vai apresentar: técnicas fundamentais para lidar com pessoas; seis maneiras de fazer as pessoas gostarem de você; Como conquistar as pessoas a pensarem do seu modo; Seja um líder: Como mudar as pessoas sem ofendê-las e nem deixa-las ressentidas.como-fazer-amigos

 

O livro é ótimo e super  recomendo a leitura. Particularmente me trouxe dicas incríveis para aplicar no trabalho e no dia-a-dia, servindo mesmo como um manual para ter sempre por perto e poder consultar sempre que quiser.

Segundo a própria apresentação do livro segue 8 Coisas que este livro fará por você:

  1. Irá tirá-lo da rotina mental, dando-lhe novos pensamentos, novas visões, novas ambições;
  2. Tornará mais fácil a você fazer amigos rápida e facilmente;
  3. Aumentará sua popularidade;
  4. Ajudará a conquistar pessoas para pensarem do seu modo;
  5. Aumentará sua influência, seu prestígio e sua habilidade em conseguir as coisas;
  6. Ajudará a acabar com as queixas, a evitar discussões e a manter as formas de contato humano agradáveis e amenas;
  7. Fará de você um orador melhor e um conservador mais interessante;
  8. Vai ajudá-lo a despertar o entusiasmo entre seus companheiros.

Segue a dica pessoal.  Boa leitura

ksouza2

Os sete estados em que a leitura pode te deixar

1 ) Distraída

distraida

Se você leitor é como eu que me envolvo bem fácil com uma leitura vai concordar que  se você estiver justo na parte mais interessante do livro o mundo pode até desabar ao seu redor que você não vai nem prestar atenção. Um exemplo de livro que me envolveu? Cidades de Papel- de John Green

 

2) Empolgada

livros_menina_fita_vermelha

Sabe aquele livro que te faz sentir várias emoções ao mesmo tempo e quando você se da conta já esta rindo ou até falando sozinha sem perceber? E o pior é que sempre corre o risco de ter alguém do seu lado nessas e achar no mínimo que você tem um parafuso a menos. Um livro que me deixou empolgada? A Maldição do Tigre – de Colleen Houck

3) Deprimida

depre

Tem livro que vai fundo mesmo. E aqueles que te deixam meio deprê ou por você ter embarcado em uma ressaca literária mesmo ou pela história ter te deixado meio pra baixo. Um livro que me deixou deprimida? Querido John – de Nicholas Sparks.

4) Inteligente

culto

Toda leitura te agrega algum valor. Quanto mais você lê mais conhecimento vai adquirindo para sua bagagem literária. Um livro que me fez me sentir inteligente só por ter o prazer de lê-lo? Os miseráveis – de Victor Hugo

5) Apaixonada

belle-books-gif

Sem falar naqueles livros que faz você literalmente se apaixonar pelos personagens. E quando aquele mocinho era tão perfeito que você queria que ele fosse real? Um livro que me deixou levemente apaixonada? Como eu era antes de você – de Jojo Moyes

6) Medinho

medo

Uma trama bem envolvente, personagens misteriosos, cenários sinistros. Ponha tudo isso dentro de um caldeirão, ou melhor, dentro de um livro e misture bem. A receita perfeita  para um bom livro de mistério ou terror. Um livro que me deixou com medinho? O oceano no fim do caminho – de Neil Gaiman.

7) Viciada

2014-03-31-tumblr_n2ojvbHRkD1sig16bo1_250-thumb

Atenção! Esse é um dos estados mais perigosos em que a leitura pode te deixar. Mas convenhamos que é um dos quais a gente mais gosta não é verdade? Até porque nós leitores já nascemos viciados mesmo. Um livro que me deixou viciada? A saga Crepúsculo – de Stephenie Meyer.

 E vocês amigos leitores? Me contem os livros que já te deixaram em algum desses estados.

Super beijos da Ká ❤

Como Água para Chocolate

como agua para chocolate

Olá pessoal tudo bem com vocês?! Hoje resolvi trazer a resenha de um livro que já li faz um tempinho mas ainda está bem vivo na memória. O livro “Como água para chocolate” da escritora mexicana Laura Esquivel, narra a história de amor entre Tita e Pedro. No méxico do século XX em uma fazenda moram Tita, sua mãe e suas duas irmãs. Tita, por ser a filha mais nova é condenada a cuidar da mãe até a morte e nunca se casar, conforme uma antiga tradição. Acontece que Tita pobrezinha se apaixona por Pedro Muzquiz e este, também perdidamente apaixonado, resolve pedir à mão de Tita em casamento. Mas a mãe de Tita proíbe permanentemente o casamento entre os dois e oferece Rosaura, sua filha mais velha para casar-se com Pedro e este então aceita o casamento para que dessa maneira consiga ficar sempre perto da amada. E então se segue o sofrimento da protagonista, condenada a cuidar da sua intragável megera  mãe.

O livro é dividido em doze capítulos e cada um deles começa com uma receita. Acontece que Tita é a cozinheira da família, e cada receita revela os sentimentos vividos por ela naquele momento. É como se os ingredientes de cada receita absorvessem o estado de espírito de Tita e provocassem as mesmas sensações naqueles que provam a comida.

IMG_20160325_154901772

O livro nos traz uma história de amor proibido, onde a pobre Tita sofre pelo seu destino. Tudo isso contado com uma mistura de sensualidade, humor e bastante fantasia. Sem dúvidas ”Como água para chocolate” traz uma narrativa diferente de todas que já li, ela tem uma forma única que difere de outras obras tornando a leitura especial.<3

Ah colegas, e se por acaso quiserem também uma experiência visual corre lá na Netflix que tem o filme homônimo da obra. Vale a pena conferir:

 

Super beijo 😀

 

Resenha – O Colecionador de Ossos e A Cadeira Vazia

Olá gente! 🙂 hoje vim falar desses dois thrillers espetaculares de Jeffery Deaver que eu amooooo. Os dois livros trazem Lincoln Rhyme, um detetive tetraplégico que é simplesmente o bambambam da criminologia. O meu primeiro contato com a série foi quando li A cadeira Vazia quando tinha uns doze anos e lembro de ter achado o livro mais incrível do mundo rsrs. Anos depois eu descobri que A cadeira Vazia tinha um antecessor: “O Colecionador de ossos”, que era o primeiro livro onde seríamos apresentados a Lincoln Rhyme e cia. Por isso vou deixar para vocês hoje a resenha desses dois livros que são um dos meus favoritos no quesito investigação.

O_COLECIONADOR_DE_OSSOS_1249957651B a cadeira vazia

 O colecionador de ossos : 

Lincoln Rhyme é um criminologista brilhante, um gênio da investigação médica forense. Mas sua carreira é brutalmente interrompida por um acidente que o deixa tetraplégico, preso a uma cama. Seu isolamento do mundo termina quando um assassino começa a espalhar vítimas mutiladas pela cidade de Nova York: Rhyme é o único que pode detê-lo. Com a ajuda da bela detetive Amelia Sachs, eles tentam desvendar o labirinto de pistas para evitar o próximo crime hediondo do Colecionador de Ossos. Uma dupla que se completa e brilha neste thriller inteligente e empolgante.

Rhyme é um criminologista brilhante mas após seu acidente ele se torna um homem que só quer uma coisa: morrer. Ele está decidido que não quer mais uma vida como a que ele leva. Mas quando um assassino escolhe matar de uma forma bem estranha e ainda  deixando pistas para a polícia encontrar suas próximas vítimas então o serviço de Rhyme é solicitado. Com a ajuda de Amelia Sachs, uma patrulheira que foi a primeira policial a ter contato com a cena do crime, os dois vão tentar solucionar as pistas deixadas pelo assassino numa verdadeira corrida contra o tempo em busca de salvar as próximas vítimas. A relação de Amelia e Rhyme vai mudando conforme o andamento do livro. A princípio Amélia odeia o criminalista tanto quanto odeia estar participando do caso. Isso porque Sachs estava em seu último dia de serviço nas ruas quando descobriu o corpo e as pistas que levariam para a próxima vítima. O problema é que Rhyme dentre tantos policiais qualificados exigiu que fosse ela a estudar as cenas do crime. Rhyme é o cérebro e Amélia suas pernas, olhos e ouvidos. Impossível não se empolgar com essa leitura.

a cadeira vazia:

O mais improvável e inteligente de todos os detetives da história da literatura policial ressurge neste thriller do americano Jeffery Deaver. Ao ficar paraplégico em um grave acidente, o brilhante criminologista de O colecionador de ossos Lincoln Rhyme vê a possibilidade de melhorar seu condicionamento físico em uma arriscada cirurgia experimental. Mas antes de tentar sua recuperação, ele se envolve em uma caçada humana pelos desolados pântanos da Carolina do Norte.
Em um escritório improvisado na delegacia local e com a ajuda de sua assistente Amelia Sachs, o especialista comanda a busca a um sequestrador e assassino apelidado de Menino-Inseto. Suspense repleto de intrincados elementos e surpreendentes reviravoltas.

Gente eu tenho uma paixão por esse livro ❤ porque foi o primeiro livro que li de investigação e graças à ele passei a amar o gênero. Porque literalmente foi o livro que sempre tem uma reviravolta até as últimas páginas do livro. Rhyme é tipo um Sherlock Holmes moderno. É incrível tudo o que ele consegue decifrar com ajuda de pequenos elementos que juntos desvendam o quebra-cabeça. Rhyme está apenas de passagem pela cidadezinha quando o xerife sabendo de sua presença vai até seu encontro pedir sua ajuda para desvendar um caso de homicídio e sequestro. Amélia, que teme pela cirurgia arriscada e experimental de Lincoln faz de tudo para ele aceitar cooperar com o caso. E assim começa mais uma aventura do criminologista e sua fiel parceira Amelia.

Alguém já leu os livros ou os outros da série? Respondam nos comentários 😀

E para quem não leu segue a dica! Super Recomendo!

aahhh já ia esquecendo! Para quem quiser conferir O Colecionador de ossos conta com uma ótima adaptação para o cinema com Denzel Washington no papel do detetive Lincoln Rhyme e Angelina Jolie como a policial Amelia Sachs 🙂

o colecionador de ossos filmeimages (2)  The_Bone_Collector_5922_Medium

10 Manias dos leitores

Todo leitor tem suas manias não é verdade? Algumas manias são até universais eu diria kk e por isso compartilho com vocês dez manias que provavelmente muito leitor se identifica. Então vamos lá:

1 – Cheirador de livros: Não sei se sou só eu, mas tenho mania de cheirar as paginas dos livros novos kkk

cheira livro

2 – Só mais um capítulo – Já passou da hora de dormir e você não consegue largar a leitura

lendo

3 –  O que você está lendo? – Quando vê alguém lendo você fica todo curioso para saber qual é o livro

curioso leitor

4 – Lançamento novo! Ebaaa – Só um leitor para entender como é empolgante quando você descobre que foi anunciado o lançamento daquele livro tãaaao esperado.

ebaa

 5 – Mania de carregar livros – Um leitor que se preze carrega sempre um livro na bolsa mesmo sabendo que provavelmete não conseguirá ler rs

booksinbag

6 – Ansiosidade –  Ficar esperando o livro novo chegar pelo correio e ficar todo feliz quando vê o carteiro chegando

leitor empolgado

7 – Carência – Você se apega ao seu livro e ele vira seu melhor amigo

belle-books-gif

8 – Sofrência –  E quando o livro termina você sofre feito um condenado

depressao

9 – Compulsivo –  Sua casa tem mais livros do que suporta e você ainda assim não consegue parar de comprar

livros

10 – Paraíso na terra – Achar que a livraria é o melhor lugar do mundo

livraria

E você coleguinha leitor? Se identificou com alguma mania acima? Me contem nos comentários.

Bjinhuuus *_*