Resenha: Ponto Sem Retorno – Gabriela Simões

IMG-20170731-WA0007

Olá pessoas tudo bem com vocês? Hoje venho trazer a indicação do livro da Gabriela Simões: Ponto Sem Retorno. 

É um livro rápido, narrado em primeira pessoa, com algumas reviravoltas e repleto de fantasia. Embarcamos na história sob a perspectiva da Giselle Levy, personagem central da trama. Ela é uma meia-bruxa que vive isolada do mundo ao lado do seu avô e longe dos olhos do rei. Ela vive escondida justamente porque precisa preservar sua origem e sua verdadeira identidade. Tudo isso porque há alguns anos atrás seres mágicos foram caçados e mortos a mando do rei, impossibilitada então de viver e trabalhar no reino de Kendrad, por medo de ter sua magia detectada pela guarda do rei, é forçada a manter-se escondida e vigilante a todo o tempo. Lutando pela sobrevivência do avô doente e também pela sua própria, se vê obrigada a viver de caça ou de roubo. Em um certo dia, Giselle vê a oportunidade perfeita para roubar jóias da coroa que seriam usadas mais tarde por ela para garantir alimentos por um prazo maior. Porém as coisas não saem como o esperado, ela é perseguida por um dos príncipes herdeiros do trono, Cristian. O príncipe então lhe da uma saída: promete não entregá-la, se ela aceitar trabalhar para o palácio. Em meio a um dilema, Giselle sabe que não tem outra saída, terá que correr o risco de ter sua identidade revelada ao rei tirano. Em meio a tudo isso, some ao caldeirão uma pitada de mistério e jogo de sedução, misture bem e está feito uma deliciosa história para se degustar.

Giselle tem gênio forte, não tem medo de expor suas opiniões e tudo isso chama atenção do príncipe Cristian que faz de tudo para que a meia-bruxa baixe sua guarda, mas sua tentativa de aproximação não será nada fácil. Em meio a tudo isso, Giselle sente uma estranha e misteriosa ligação com irmão de Cristian, Príncipe Eli. E ainda sofre por ter que se afastar do seu amigo de infância Rylan.

A leitura é envolvente, em alguns momentos me preocupei que um certo “quarteto amoroso” fosse se formar e deixar as coisas meio perdidas e em algumas passagens me senti um pouco confusa com as impressões e rumos que a personagem tomaria ao longo da história mas tudo se encaixa devidamente no final, deixando bem claro que teremos mais pelo que esperar.  A autora tem em suas mãos todos os ingredientes para que uma boa fantasia se desenrole.

Boa leitura 🙂

IMG_0518.JPG

Biografia: Gabriela Gomes Simões nasceu na cidade da Amadora em 1998. Terminou o ano passado o Ensino Secundário no curso de Ciências e Tecnologias, neste momento encontra-se a tirar uma licenciatura em Gestão Hoteleira na Escola Superior de Hotelaria e Turismo do Estoril. Tem como sonho dar a conhecer a sua escrita.
A paixão pela escrita começou muito nova, com apenas oito anos escrevia pequenos poemas e histórias, tendo concluído o seu primeiro manuscrito com catorze anos de idade. Nos últimos quatro anos dedicou-se ao seu aperfeiçoamento, no seu conteúdo e forma, acabando por crescer com ele, dando-lhe o título de Giselle – Ponto Sem Retorno, sendo este o seu primeiro livro.

A estrada – Cormac McCarthy

Screenshot_20170721-143854

Olá pessoas! tudo bem com vocês? Hoje venho trazer a resenha do livro ganhador do Pulitzer de 2007: A estrada, escrito por Cormac McCarthy.  Primeiro preciso dizer que esse pequeno livrinho (234 páginas) me deu um verdadeiro tapa na cara. Tudo porque eu tinha uma certa relutância em ler 🤔 não sei, acho que imaginava que quando começasse a ler ia desistir da leitura. Daí que veio o tapa na cara minha gente, peguei ele certa noite e quase viro a madrugada lendo, a leitura me prendeu de um jeito que não conseguia parar, em pensar que essa jóinha estava desprezado na minha estante há mais de um ano 😳 então eis que venho me redimir contando pra vocês um pouquinho mais sobre esse livro e explicar porque ele me prendeu tanto.
Imagine que houve uma grande catástrofe no mundo e ele já não é mais o mesmo, o planeta se encontra devastado, tudo está em ruínas, no lugar das florestas existe cinzas, o ar está repleto de fuligem, existem pouquíssimos sobreviventes e grande parte deles andam em bando caçando e matando tudo que encontram pelo caminho, inclusive pessoas (sim! A situação é tão crítica que pessoas praticam atos de violência e canibalismo). Em meio a esse cenário apocalíptico conhecemos nosso personagem principal, que não tem nome, e seu filho que lutam pela sobrevivência quase sem esperanças. Essa relação entre pai e filho é o ponto alto do livro, e os dois sempre juntos passam por grandes privações que nos fazem roer as unhas de desespero. É um livro forte e angustiante . A escrita do autor faz toda diferença e nos transporta para um cenário frio e devastado, a escrita é objetiva, os diálogos sem travessões, e os personagens sem nomes. Em nenhum momento é explicado o motivo do caos em que o planeta se encontra mas também não chega a ser preciso, está aí a grande crítica social.
Um mundo pós apocalíptico e a jornada de um pai e um filho onde cada um é o mundo inteiro do outro.

Devo dizer que tudo no livro, sobretudo a forma com que o autor escreve, contribuiu para que minha leitura, ao contrário do que eu esperava, fluísse perfeitamente bem. O cenário catastrófico, a forma como a violência e desumanidade está presente durante todo o livro, tornou  tudo extremamente real e impactante ao seu modo. E não havia como esperar um final perfeito, porque nós leitores compartilhamos dos mesmos sentimentos de desilusão e desesperança dos personagens centrais, que mesmo sem nos dar seus nomes nos marcam sensivelmente.

Vale dizer que o livro teve uma adaptação cinematográfica em 2009, estrelada por Viggo Mortensen.

Screenshot_20170721-145306

Resenha: As 108 Borboletas da Alma

as108 borboletas da alma

Olá leitores! Tudo bem com vocês? Hoje vim trazer a resenha de As 108 Borboletas da Alma escrito pelo Enthony Cichocki. Esse livro mais que lindo vai nos fazer mergulhar na linda e comovente jornada de uma alma suicida após a morte. A trama trata um assunto tão pesado e difícil de se lidar de uma forma incrivelmente delicada. Como o próprio autor nos adverte:

“É hora de respirar fundo, pois esse livro é um mergulho, daqueles profundos, que incomodam os tímpanos.”

E quando mergulhamos na trama passamos a enxergar pelos olhos de Platz, nosso protagonista, que desiludido com sua vida vê na própria morte uma saída. Tudo tem início em uma estranha conversa de bar e mais tarde uma única cápsula dourada daria fim a sua vida, explodindo seu coração. A partir desse ponto se tem início uma longa trajetória, ora confusa e misteriosa  e ora sublime e plena, de uma alma cansada que acredita em uma segunda chance.

O livro é dividido em cinco partes onde vamos acompanhar nosso protagonista num percurso desconhecido e tão misteriosamente fascinante. Nesse seu novo caminho ele encontra um homem misterioso e desconhecido trajando um terno cinza que se diz ser o porteiro e irá guiá-lo até  o “mundo-de-baixo”, lá ele percorre uma imensa estrada reta e sem fim, onde o nada é a definição mais correta, sem céu e sem estrelas, ele percorre o caminho na garupa da própria morte.

E assim depois de muitas encruzilhadas no caminho, e ele vendo a memória de sua vida se esvaindo aos poucos, intrigantes borboletas amarelas parecem guiá-lo por um caminho que irá levá-lo a uma espécie de cabana antiga, nesse lugar parece que os dias se passam num infinito alvorecer e Platz encontra uma companhia, Nona é o nome dela, uma senhora simpática que adora cozinhar cuja a alma teve o mesmo destino que a sua, os dois passam a conviver em harmonia, cuidando um do outro e desse lugar repleto de flores e borboletas amarelas. Mas tarde é a vez de uma outra jovem alma suicida dividir com ele a cabana e as dúvidas de seus destinos. Mas Platz ainda está só no começo de sua jornada, há ainda um longo caminho a percorrer.

“Você sempre carregará o passado consigo, não importa a viagem que fará. Ele vai com você, mesmo que você queira guardá-lo numa maleta. Quando se tranca o passado, uma hora dessas ele se abre de volta, nem que isso demore uma vida.”

O caminho de Platz continua, e depois de um imenso oceano cujo qual ele atravessa solitariamente em um veleiro, passando por ondas furiosas e ventania intensa, ele enfrenta uma gigantesca montanha que irá revelar o seu mais novo destino.

Platz, em sua longa caminhada, redescobre a si mesmo e aprende o valor da amizade, e de algo assustador e desconhecido ele consegue enxergar uma luz e acreditar que pode haver uma segunda chance e que nem tudo está perdido.

“Entendi, naquele momento de paz, que a alma transcendia a vida, que a sensação de viver estava além das barreiras do corpo, do ar que respiramos e das aventuras que vivemos. Viver era fazer parte de um mundo e saber disso.”

Resta apenas dizer que o livro me tocou muito, pela simplicidade, pela leveza e beleza das palavras do autor em trazer a um tema difícil e obscuro uma percepção graciosa e sincera. Em pensar em tantas almas nesse “mundo-de-cima” que passam pelo drama da depressão e de pensamentos suicidas que só precisam desesperadamente que haja alguém para estender uma mão, alguém para ouvir, alguém para desabafar.

No fim de sua jornada, Platz se vê em um lugar onde os dias se passam normalmente e há estrelas brilhando no céu, para mostrar que no fim não há somente um único jeito e que a luz enfim aparece, não importa o tamanho do túnel.

Prontos para  acompanhar Platz nesse longo caminho que ele precisa percorrer? Então corra e leia o livro, afinal…A Eternidade não espera para sempre!

Aqui vai o link para comprar o livro disponível na amazon,  lembrando que você também pode ter uma degustação do livro no Wattpad no perfil: lobo-do-norte

https://www.amazon.com.br/As-108-Borboletas-da-Alma-ebook/dp/B0719GYYCR/ref=sr_1_1?ie=UTF8&qid=1495077459&sr=8-1&keywords=as+108+borboletas+da+alma

Boa leitura!

Dream house301_square

Resenha: Quatro Vidas De Um Cachorro

IMG_20170322_144623053 (2).jpg

Olá gente! Tudo bem com vocês?!

Vou falar um pouquinho sobre esse livro mais fofo do mundo ❤ Que delícia de leitura! Me emocionei em várias passagens no livro e a leitura foi mais prazerosa do que eu achava que seria, li tudo em dois dias. A historia toda do livro é narrada do ponto de vista do cão, ele que renasce várias vezes e tenta compreender a razão de tudo isso. Ele sabe que deve haver algum propósito em sua existência, e a gente acompanha toda sua trajetória primeiro como um cão vira-lata, segundo como um golden retriever onde ele encontra o amor incondicional de um garotinho chamado Ethan, terceiro como uma cadela policial e em sua última jornada onde vai compreender que todas as suas vidas o levaram de volta a uma pessoa que tanto ama.

É uma história emocionante que nos faz refletir sobre aquela velha questão: Qual nosso propósito aqui?

O autor W. Bruce Cameron consegue abordar essa questão da maneira mais deliciosa possível, com uma boa dose de bom humor e com muita muita muita delicadeza.

Em sua primeira vida como um cão vira lata, Toby logo percebe uma atração genuína pelos humanos mas sua vida na pele desse cãozinho é muito curta e logo ele renasce como Bailey e sua vida cruza com a de um garoto de oito anos com quem vai compartilhar uma vida inteira de muita emoção e de uma amizade intensa e absoluta com seu dono. Bailey teve uma vida intensa e gratificante ao lado do seu melhor amigo na vida e sente que já cumpriu sua única missão no mundo e por esse motivo não entende porque ele renasce mais uma vez na pele de um filhote novamente. Dessa vez Bailey é Ellie, um cão policial que vai dedicar toda a sua vida de cachorro em salvar vidas. Mas sua jornada no mundo ainda não chegou ao fim, existe ainda uma última tarefa que ele deve completar, dessa vez na pele de Amigão, onde ele vai entender e aplicar tudo o que ele já viveu em suas outras vidas.

Simplesmente MARAVILHOSO! Encantada com essa leitura que já é uma das minhas favoritas com certeza. 😀 fica a dica para vocês e boa leitura!

Resenha: O Dia da Morte de Denton Little

IMG_20170110_140904281 (2).jpg

Pessoas… quando eu vou na livraria geralmente já tenho em mente o livro que eu quero comprar ou pelo menos uma idéia. Dificilmente eu compro um livro que já não tenha pesquisado antes ou que tenha ouvido falar ou lido resenha. A não ser que o livro em questão me chame atenção de alguma forma: seja o título,a capa, ou a sinopse. E com esse livro aconteceu que ele me chamou a atenção com esses três motivos juntos. Primeiro o título é bem diferente e sugestivo e a capa me chamou a atenção logo de cara, e por último quando li na parte de trás do livro o seguinte trecho:

“Amanhã é o dia da minha morte. Não é tão dramático quanto parece. Desde que nasci as pessoas sabem que amanhã é o dia em que vou morrer. Aí você me pergunta: é estranho e angustiante saber que vou morrer amanhã? Pra caramba. Mas preciso usar aquele tom de narrador de trailer de filme por causa disso? Provavelmente não.”

Ai então que não pude fazer nada senão levá-lo pra casa. Imagina que louco você saber o dia da sua morte assim que você nasce. Agora imagina que louco seria se isso fosse normal para qualquer pessoa.Isso porque o governo criou uma espécie de programa que mapeia e calcula exatamente o dia da morte das pessoas. Poi isso Denton e seus pais já sabem que ele não viverá mais do que seus dezessete anos. Eles sabem o dia, mas não sabem a hora exata e o motivo da morte. Até ae tudo bem, porque super normal a pessoa já saber o dia da morte e tals, e quando o dia finalmente se aproxima Denton já tem tudo planejado: vai passar o dia do seu funeral com a família e os amigos se despedindo de todo mundo numa festa de arromba e as horas seguintes chamada de vígilia, irá passar na tranquilidade do seu lar ao redor das pessoas mais próximas relaxando e aguardado o momento final.  Mas veja bem, na véspera de sua morte, o garoto acorda com uma baita ressaca, num quarto que não é o seu, na cama de uma garota que não é a sua namorada. O pior de tudo é que Denton não se lembra de nada.

E esse é só o começo de uma série de confusões que Denton tem que enfrentar, já não bastava ser seu último dia na terra e ele agora tem que lidar com o ex namorado pegajoso e briguento da sua namora, com um cara misterioso que diz  ter conhecido sua falecida mãe biológica, a incerteza do motivo real da sua morte e o fato de ter perdido sua virgindade não com sua namorada mas com a irmã do seu melhor amigo.

O livro é divertido, é cheio de tiradas sarcástica e recheado de humor negro.  A cada página você fica curioso de saber qual vai ser a causa da morte do personagem já que começa a aparecer uma mancha estranha em sua perna que vai crescendo por todo o corpo, além de que o bad boy do ex namorado da sua garota parece que quer ser o responsável pela sua morte a todo o custo, não bastasse isso tem um maluco em um carro esportivo amarelo que já o “quase” atropelou mais de uma vez. Sem falar no triangulo amoroso entre ele, sua namorada Taryn e Veronia, irmã do seu melhor amigo Paolo.

 O livro do estreante Lance Rubin é divertido e cheio de reviravoltas. Li em um único dia, ideal para quem quer passar o tempo.

 Boa leitura!

Bjos da Ká 🙂

Bridget Jones: O Diário, No Limite da Razão e Louca pelo Garoto

IMG_20161208_091532080 (2).jpg

Olá pessoas tudo bem com vocês??

Hoje vim falar dessa hilária, piradinha e desastrada da Bridget. Eu e elas somos amigas a um bom tempinho gente, isso porque eu simplesmente adoro as confusões dela. Já li e reli o primeiro livro várias vezes, aliás ele é o meu preferido e foi um dos primeiros livros que eu comprei na vida. Por isso ele é um xodózinho na minha estante rs.

Por falar nos livros da para perceber pelas fotos que cada um é de uma edição diferente. Isso porque eu demorei muito para ler a sequência e depois não achei o segundo livro publicado pela mesma editora. Gente eu simplesmente sou fã da Bridget Jones, ela sempre me faz rir e não tinha ninguém mais perfeito, na minha opinião, para viver a personagem no cinema que não Renée zellweger. Isso sem falar no Colin Firth, nosso eterno Darcy ❤

Helen Fielding abriu as portas para os romances Chick Lit trazendo um novo gênero da literatura onde o foco é o retrato da mulher moderna e independente. Bridget Jones é leve, divertido, recheado de situações hilárias. É sério gente, Bridget é a personagem mais atrapalhada que eu conheço e graças a Deus por isso! Você vai rir muito com ela.

Todas as aventuras românticas na nossa heroína é narrada pela própria Bridget que nos conta tudo através de suas anotações em seu diário.

Em O diário de Bridget Jones temos as aventuras de uma mulher solteira com mais de trinta anos, com sua luta diária para emagrecer, largar o cigarro e a bebida e encontrar um namorado.  Uma das coisas mais divertidas do livro são as conversas da Bridget e suas amigas, que se reúnem sempre para discutir suas relações amorosas. O diário de Bridget Jones é tipo um Orgulho e Preconceito moderninho onde a autora faz uma releitura pra lá de divertida da obra da Jane Austen. Bridget é apaixonada pelo seu chefe Daniel Cleaver, um dos caras mais mulherengos e charmosos da face da terra, em meio a tudo isso ela tem que lidar com as perguntas sempre que vai a algum evento de famíllia: Cadê seu namorado Bridget? Quando você vai deixar de ser uma solteirona Bridget Jones? Além de aguentar sua mãe querendo lhe empurrar ao mais novo solteirão cobiçado pela mulherada, o recém divorciado e renomado advogado Mark Darcy. Para completar esse advogado emproadinho parece não gostar nenhum pouco dela só parece enquanto odeia o seu amado chefe Daniel.

E lá vem o segundo livro gente, que eu só li oito anos depois de ter lido o primeiro. Bridget Jones no limite da razão e tão divertido quanto o primeiro e com Jones aprendemos que de fato nada é tão ruim que não possa piorar. No segundo livro as confusões em que ela se vê envolvida são ainda piores com direito até a prisão tailandesa. Aqui Bridget apesar de estar finalmente em um namoro decente e duradouro suas neuroses e crises ainda continuam as mesmas sem falar em suas inseguranças que ela tenta resolver com seus inúmeros livros de autoajuda. São mais de 300 páginas em uma companhia maravilhosa com uma das mulheres mais atrapalhas da história da literatura. Vale a pena para quem curtiu o primeiro livro porque o segundo não deixa a desejar. Temos mais Bridget, mais Darcy e mais confusões.
IMG_20161208_091600337 (2).jpg
 
 Bridget Jones Louca pelo Garoto foi lançado quatorze anos após No limite da razão confesso que após ler a sinopse do livro relutei muito em continuar a saga de Jones porque o cenário muda nesse último livro, mas é como um docinho que você não quer largar até saborear o último pedacinho. Aqui Jones ainda é a mesma estabanada de sempre o que muda é que agora ela tem outras preocupações além de largar o cigarro ou perder peso. Agora ela é mãe de dois filhos, Billy e Mabel, e tem outros dilemas em sua vida. Bridget que tinha como uma das suas maiores distrações ouvir recados na secretária eletrônica agora foi apresentada as redes sociais e nem o twitter escapa das suas gafes e confusões. Bridget Jones mãe e se aventurando de novo em novas relações num mundo totalmente diferente, com muito mais tecnologia, será que ela dá conta?
De todos os livros o meu favorito é o primeiro, o terceiro por ter tido algumas mudanças, que são perfeitamente aceitáveis já que a vida real não é mesmo um conto de fadas, talvez tenha sido o menos divertido para mim, mas é sempre bom ter Bridget Jones como companhia e foi bom acompanha-lá nessa etapa da sua vida.
Depois de ler os livros corre para assistir as adaptações do cinema, inclusive o recém lançado: O bebê de Bridget Jones que eu assisti e  A-D-O-R-E-I!
Super beijo da Ká! e boa leitura 😀
.

Livro: As Mil Noites – E.K. Johnston

Olá pessoas 😀 Hoje venho trazer a resenha do livro As Mil Noites de E.K. Johnston que li recentemente. Primeiramente vamos falar da arte do livro: As letras douradas e os padrões roxo e verde-água na capa ficou realmente lindo. Sem falar na abertura de cada capítulo onde é apresentado na parte superior alguns desenhos de padrão árabe, um charme!

img_20161102_181157273

O livro nos apresenta  Lo-Melkhiin, um rei que voltou mudado após uma longa caçada no deserto. Ele é um homem muito temido e poderoso, e o reino prospera em suas mãos, mas toda garota com quem se casa morre. Assim todas as aldeias do reino sabem que o Rei e sua guarda pode chegar a qualquer momento e exigir a garota mais bela para se tornar sua noiva, e ela em seguida morrerá em pouco tempo.

Então quando em uma certa aldeia uma jovem avista  Lo-Melkhiin e sua guarda se aproximarem ela sabe que a próxima vítima será sua irmã, a garota mais bonita da aldeia. Assim procurando salvar a vida de sua irmã ela faz de tudo para ser escolhida e levada ao palácio no lugar dela.

Tornando-se rainha e morando na corte do rei ela vive cada dia com a certeza de que será o último. Mas estranhamente uma certa magia flui entre entre ela e o rei, e noite após noite o rei a visita e sua morte não vem e ela sente sua magia crescer cada vez mais.

Acontece que na caçada da qual Lo-Melkhiin voltou transformado ele foi possuído por um demônio e vive desde então aprisionado em seu próprio corpo sem poder se livrar da influência do demônio que se alimenta do sofrimento e da morte de suas mais de trezentas esposas.

O livro tem uma narrativa poética onde nos é apresentado um amor genuíno e fraternal entre duas irmãs, não espere um romance entre os dois personagens principais porque não é sobre isso que a estória de baseia. A parte negativa que tenho deste livro não diz respeito ao livro em si e sim em minha própria expectativa em relação a ele, pois em todo o momento em que eu lia parece que eu esperava um ápice da leitura que nunca chegava. Sendo assim aconselho a desapegarem da idéia de que As Mil Noites seja como os contos fantásticos onde Sherazade distraia o rei com suas histórias noite após noite. Em As Mil Noites encontra-se sua magia própria, onde as histórias contadas pela heroína ganham vida própria.

Boa leitura! 😀